Influenciar ou Ser Influenciado?

Influenciar ou Ser Influenciado?

A todo instante estamos agindo e interagindo com o que nos rodeia através da nossa percepção.

Temos hoje uma oportunidade jamais vista de influenciar o meio ou ser influenciado por ele.

Com automação para quase tudo, nosso cérebro fica livre para as coisas realmente importantes. E também vulnerável ao bombardeio de informações vindos de inúmeros canais.

Definir adequadamente a importância das coisas está diretamente relacionado ao nível de consciência de cada indivíduo e do nosso próprio conhecimento.

Conhecer a nós mesmos tornou-se tarefa essencial para a evolução da humanidade, que deixou de acontecer pelo processo convencional em que o organismo se adapta ao meio. Hoje o homem modifica o meio através da sua influência. No caso das inovações impulsionadoras, alguns poucos homens exercem esse poder, deixando a maioria ou o resto continuar a ser modificado pelo meio.

A instantaneidade da comunicação digital ao mesmo tempo que gratifica gera ansiedade. Aproxima os distantes enquanto distancia os próximos. E torna as relações bastante superficiais.

Precisamos encontrar nosso equilíbrio enquanto indivíduos e entender nosso papel em benefício do todo, mais do que apenas nosso núcleo imediato ou um pequeno grupo de pessoas.

Podemos influenciar ou sermos influenciados e nem precisamos estar digitalmente conectados para isso. Basta um ajuste no comportamento diário e um maior cuidado com as nossas relações pessoais e profissionais.

Adaptabilidade e flexibilidade nunca foram tão necessárias para absorver e fluir com as mudanças que o mundo experimenta a cada momento. Além de expandir nosso comportamento para lidar, da melhor forma possível, com circunstâncias turbulentas e reassumir nossa condição original.

Ao conhecer nossa essência aumentamos nossa capacidade de lidar com esse universo gigantesco de informações e saber filtrar delas, as partes que nos ajudam a melhorar as relações familiares, sociais e profissionais.

Num passado não muito remoto os perfis profissionais eram escritos numa tabela de uma única coluna. Hoje possuem no mínimo duas, uma para o perfil técnico e outra para o perfil comportamental. Isso significa que além do saber técnico, por exemplo, sobre engenharia ou administração, é importante que a pessoa possua habilidades de relacionamento, persuasão, equilíbrio emocional, capacidade para trabalhar em equipe, pensamento sistêmico, etc.

A humanização virou a palavra da moda e as empresas estão voltando a valorizar pessoas que saibam transformar o que sabem numa relação que tenha valor para os colegas e principalmente para o cliente. Ser chamado pelo nome ou ser surpreendido pelo atendimento que o alerta sobre suas preferências, não com base num banco de dados, mas pela interação humana com o profissional que presta tal atendimento é o ápice da personalização.

Encontrar o ponto de equilíbrio entre a evolução tecnológica e humana é nosso maior desafio atual. Caso contrário tanta tecnologia fará bem por um lado mas cobrará caro por outro.

Ter confiança para operar ‘offline’ é tão ou mais importante do que estar sempre ‘online’, lembrando que as tecnologias evolutivas são nossas aliadas mas que nosso equipamento essencial continua sendo nós mesmos.

Investir em upgrade pessoal é absolutamente fundamental para continuarmos nosso processo de evolução e podermos influenciar positivamente nosso meio.

[Faça um upgrade pessoal]